segunda-feira, 29 de setembro de 2014

A cultura da culpabilização da vítima



Há mais de trinta anos houve um homicídio na cidade onde eu morava, um dos inspetores matou a tiros o Delegado.

Quando o caso foi a julgamento, eu disse, "Sabem o que vai acontecer? 

A vítima será julgada culpada e merecedora da morte que teve."

Dito e feito, foi o que aconteceu. É claro que houve alguma condenação, mas o julgamento realmente girou em torno de tudo que o Delegado fez para merecer a reação do inspetor.

Lendo o artigo do Marcos Rolim este domingo, A justiça e o cego, me lembrei daquilo ao ler o seguinte trecho:


"Há algo de muito errado com um País em que as vítimas correm o risco de serem consideradas culpadas por decisões judiciais. Algo de substancial na própria ideia de justiça é ameaçado pela insensibilidade e pela cegueira moral de que nos fala Bauman. Todos devem concordar, a começar pelos melhores magistrados, que uma Justiça que não ofereça exemplos de retidão, que se dobre diante de privilégios, que alimente a obscuridade de atos tomados em benefício próprio, produz orfandade ainda mais radical do que aquela que a política já nos legou.
A pergunta, então, se confunde com o desespero:
e se nos faltarem juízes justos, recorremos a quem?
"

Boa pergunta. 

Recorremos a quem, quando toda a sociedade acha que a vítima é que 'provocou', que a vítima não devia estar ali, que a vítima fez algo para 'merecer' o ataque que sofreu?

É exatamente este o caso das mulheres que são assediadas, agredidas e estupradas, com a 'desculpa' de que estavam bêbadas, estavam de roupa curta, estavam na rua 'aquela hora'. etc. 

Até quando?




2 comentários:

  1. Também acho que a culpabilização das vítimas é uma cultura muito forte. Eu tive uma analista lacaniana que fazia disso a linha de trabalho dela. Ela chamava de "tomar responsabilidade". Com o tempo foi ficando claro que essa era a ideologia pessoal dela aparecendo em minha análise e decidi largar. Foi o melhor que fiz.

    ResponderExcluir
  2. vamos ter que falar muito ainda sobre isso para que essa cultura do estupro deixe de existir, mas sou otimista, pelo menos hoje muita gente já acha absurdo culpar a vítima... chegaremos lá, passo a passo

    ResponderExcluir