quarta-feira, 24 de julho de 2013

Guest post - Desafio lançado: Como seu preconceito digere essa?

[por Marison Lacerda]






Katie é uma mulher que possui os cromossomos sexuais X e Y, como um homem típico teria. A aparência é feminina pois parte do seu desenvolvimento durante a gestação não ocorreu. Todo feto de homem é indistinguível de uma mulher no início da gravidez. Lá pela 7ª semana que começa a se diferenciar, mas externamente não se notará nada até depois da 10ª semana. Homens adultos que se desenvolveram normalmente possuem vestígios de útero e vagina.

"Para mim ela é homem então, não adianta parecer mulher, por que você está falando que ela é mulher?"

Porque é assim que ela se sente. É como ela se identifica. O mais importante é sempre respeitar a vontade da pessoa. A aparência é secundária. Se ela parecesse homem e se sentisse mulher, deveria ser tratada como mulher. Faça assim que não erra, a menos que a pessoa peça para ser tratada de forma diferente.

A sociedade funciona muito baseada em classificar pessoas, situações, comportamentos, objetos. Fica mais fácil para vender ideias, para controlar, para manter a ordem que beneficia uns poucos e prejudica muita gente. Você não precisa ser assim. Não precisa ter só duas caixinhas com uma etiqueta marcada com o texto "homem" numa e noutra "mulher" e tentar encaixar cada pessoa que conhece em uma caixinha dessas.

Besteira isso. As pessoas são muito mais únicas e precisam ser tratadas de forma única também. É melhor para todo mundo, inclusive para você que pode não se sentir diferente da Katie, e se a indústria, o marketing, os governantes e outros grupos que usam disso se ajustarem, será bom para toda a espécie humana.

"E se a pessoa resolveu se diferenciar depois de nascida, maquiando, vestindo saia, falando fino forçado? Acho feio, não gosto."

Não gosta por que? Provavelmente não te afeta em nada, exceto talvez por não ser fácil colocá-la numa das duas caixinhas que descrevi acima. Liberte-se dessa necessidade e pare de associar quem faz isso com coisas negativas. A pessoa pode ser motivada por se sentir mais mulher, ou mais homem, que sua aparência indica. Pode ter outro motivo. Respeite-a assim mesmo e trate-a bem que você não erra.

"E se for pior ainda, ela fizer uma cirurgia para mudar de sexo e até tomar hormônio?"

Mesma ideia. Ela está fazendo o que está a seu alcance para ficar mais parecida com a forma como se identifica. Em essência ela pode estar fazendo isso apenas para se sentir melhor consigo mesma. Não é possível uma diferença no desenvolvimento uterino mudar uma aparência que estaria "escrita nos genes". E se a pessoa tem essa aparência "escrita", mas não se identifica com ela. Não seria uma opção para ela mudar?

"Estou até concordando com tudo isso. Sou besta mesmo de ter pensado de outra forma. Existem outras diferenças que dificultam ainda mais usar só duas caixinhas para tratar gênero?"

Claro que tem. Uma coisa é o par de cromossomos sexuais que uma pessoa tem, outra como ela se identifica e ainda temos a questão de como é a aparência que possui atualmente que pode querer ou não mudar.

Por outro lado, tem uma outra bem importante, provavelmente mais comum, mas que merece respeito da mesma forma. O interesse sexual também pode variar muito. Ela pode se interessar por pessoas do mesmo sexo, de sexos diferentes, ser do tipo "tanto faz" e pode até não se interessar nada ou muito pouco por sexo. Essas situações são normais, acontecem desde sempre, acontecem com outros animais. Tem animal que até muda de sexo de acordo com a necessidade, não precisa ser tão complicado com o Homo Sapiens só por causa da necessidade de encaixar em poucas caixinhas.

E ainda pode haver combinações dessas várias situações. Uma mulher como a Katie, com cromossomos XY e aparência "feminina", pode gostar de outras mulheres sexualmente. Uma pessoa geneticamente homem, mas transgênero pode se sentir atraído por mulheres, mesmo tendo feito cirurgia e ser reconhecido como uma mulher se olharmos para uma foto.

"Puxa, vou precisar de caixinhas demais para encaixar essas variações todas, não?"

Pare de encaixar então. Simples assim. Se você considerar que nem gêmeos idênticos geneticamente são iguais, que há etapas do desenvolvimento uterino e principalmente coisas que acontecem depois que podem mudar muito como a pessoa enxerga o mundo, precisamos mesmo é de uma caixinha para cada pessoa. Ou então coloque todo as pessoas independente do sexo numa caixinha só marcada de "humano". E o mais importante, trate-os todos de forma igual. Ainda melhor, não precisamos de caixinhas.

Desejo que essa história do link e o restante do texto dê um nó no cérebro dos preconceituosos. Depois, aos poucos, esse nó pode ir sendo desfeito e com ele parte ou todo o preconceito acumulado até aqui.

Não precisa mudar hoje totalmente, ser uma pessoa sem preconceito nenhum já, mas pelo menos não transpareça mais seu preconceito, não aja em função dele, não prejudique ou ofenda ninguém mais. Ele ficar aí dentro de você vai ser danoso só para você, mas é melhor que assim seja pois ninguém mais deve sofrer por isso.

Ainda que ser preconceituoso esteja ligado a baixo QI como já postei antes, não tenho preconceito contra você e acredito mesmo que possa mudar. O motivo do seu preconceito pode ser outro. Podemos ser preconceituosos por assim o serem nossos pais, os grupos que participamos, o que recebemos de informação da mídia. Mudei muito ao longo da vida nesse aspecto e continuo mudando. Todos podem.

Tentar classificar as pessoas pelo sexo, cor, condição econômica e social, aparência física, o que acredita ou não acredita só serve para fazer vários grupos sofrerem. Podemos achar que estamos num grupo favorecido e achar isso uma vantagem, mas para um determinado grupo sempre podemos ser considerados inferiores, errados, que fazemos coisas feias. Vamos parar com isso. Não ajude a construir o que pode te prejudicar no futuro.

Usar termos como "aparência feminina" pode inclusive ser considerado desrespeitoso, pois muito do aparência feminina (ou masculina) vem da forma como a sociedade entende a mulher. E isso muda a cada cultura. Homens vestem saias, maquiam, usam vestidos em culturas diferentes da nossa. Ser musculoso não é característica masculina, é apenas característica de quem faz muitos exercícios físicos, podendo ser geneticamente homem ou mulher. É possivelmente mais comum termos homens musculosos pois homens são colocados na caixinha dos agressivos e fortes e mulheres na das sensíveis e fracas. Isso os molda para procurar profissões e forma de vida que os levem a ficarem musculosos, mas isso não vale para todo mundo. Eu sou um banana, sensível, fraco e sem músculos! E estou feliz assim como minha esposa está. Percebam o quanto é melhor não tentar encaixar ninguém em uma classificação?

*********************
Link para a notícia -
http://saude.ig.com.br/minhasaude/americana-descobre-que-geneticamente-e-um-homem/n1597272252864.html

 
*********************
no Facebook - https://www.facebook.com/photo.php?fbid=497489773660846&set=a.439811626095328.1073741826.100001994823142&type=1

**********************

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Pelo direito de NÃO ter filhos

Há tempos que vejo isso sendo discutido, e sempre vejo as reclamações dos que não querem ter filhos por causa da pressão familiar e social por causa disso. Hoje me deparei com um desabafo muito contundente, e achei uma boa ideia divulgar. Foi postado no Facebook por Marison Lacerda.





Não querer filhos, espermograma solidário, câncer de próstata e respeitar as diferenças







Giselle e eu nunca quisemos ter filhos. Gostamos de crianças, crianças gostam de nós, tratamos bem, mas nunca de fato tivemos vontade.

Entendemos bem o que significa ser pai ou mãe, sabemos que há coisas boas e ruins no meio, não temos medo de desafio. Só não temos é interesse mesmo.

Só que isso é constantemente cobrado por familiares, amigos, colegas de trabalho e ultimamente, médicos. Mesmo que não venhamos a mudar pela vontade alheia, ainda é um pouco chato escutar algumas coisas de tempos em tempos e ainda pior quando o modo de pensar dos outros impede que façamos algo que julgamos importante para nós.

Uma das cobranças mais pesadas das recentes foi a Giselle escutar que está doente pois não cumpriu com o papel de mulher que é ser mãe. Além de desagradável, desnecessário, não solicitado, e preconceituoso, é machista.

Há um ano e meio Giselle descobriu que tem esse problema de saúde. Passamos por diversos médicos, uns 5. Ninguém a quis operar e as únicas propostas de tratamento foram coisas como "vá levando a dor e os efeitos colaterais" ou "vamos trocar seu anticoncepcional que deve melhorar um pouquinho". E foi só um pouquinho mesmo. Uma das ginecologistas ainda a tratou como um nada pela possibilidade de não ter filhos. Como se a invalidasse como um ser humano. Felizmente, meio que por instinto, a primeira coisa que falei depois dela comentar do diagnóstico foi que é muito mais que a possibilidade de ser mãe. E é mesmo: é uma profissional competente, se formou com bastante mérito e esforço, é uma excelente filha além de ser uma pessoa maravilhosa que me faz querer ser melhor para merecê-la pelo máximo de tempo. Foram algumas das coisas que apontei. Felizmente ajudou um pouco a ela se recompor.

Fui recentemente ao urologista para fazer o preventivo de câncer de próstata. Não tinha certeza de quando era indicado, já havia ouvido falar que é a partir dos 35 e de muitos que dos 40 anos, mas como um tio teve recentemente e passou pelas dificuldades típicas do tratamento, preferi não arriscar e fui fazer com 38. O médico mesmo falou que operou um paciente com 34 anos, mas todos os homens da família, incluindo filhos mais velhos, tiveram câncer. De qualquer forma, façam o exame quando fizerem 40, parem de achar que afeta a sexualidade e temer algo tão besta, tão rápido.

O urologista perguntou se tinha e se queria ter filhos. Respondi não para ambas, ele não concordou, mas não insistiu muito. Ao propor os exames, disse que normalmente indica um espermograma numa primeira consulta. Falei que não era necessário, mas poucos segundos depois voltei atrás e falei que faria. Pensei que se por acaso fosse infértil, facilitaria todas as decisões em relação ao tratamento da Giselle um bocado. Teríamos mais argumentos para combater o grande receio dos médicos em fazer uma cirurgia que possa afetar a fertilidade. Fora que a cobrança não cairia apenas sobre a minha esposa. Mulheres sofrem ainda mais com isso, como se não fossem necessário ambos sexos para uma gravidez e como se os homens fossem sempre férteis. Descobri que sou estéril. Mais que isso, sou surround 5.1!

Felizmente, o meu PSA está bem baixo e não tenho câncer de próstata. A questão da minha infertilidade não tem importância alguma, exceto por agora minha esposa não ser automaticamente culpada sozinha por não termos filhos.

Na sexta, Giselle vai passar por cirurgia incapacitando-a de ter filhos também. Para mim, a única coisa importante é ela sair melhor do que está agora. Parar de sentir dor a todo momento, ter mais ânimo para viver, dormir melhor, se livrar de vários dos efeitos colaterais que possui pelo tratamento que vem fazendo.

Portanto, decidimos expor nossa vida aqui para que as pessoas entendam que não teremos filhos, cessem as cobranças e entendam que estamos bem com essa situação.

Entendemos até as cobranças, somos cobrados normalmente por pessoas que se importam conosco. Sei que podem ser com boa intenção e sabemos que muitas pessoas adoram ter filhos e por isso acreditam que é o melhor para todos. Nunca assumam isso. Não funciona assim e sempre poderá gerar problemas e incomodar os outros.

Respeitar as diferenças é fundamental e inclusive indispensável para a humanidade continuar a se desenvolver. Avançamos muito mais graças a todos que pensaram diferente que por seguirmos regras, leis, dogmas e ideias alheias. A humanidade não será condenada por isso. Sempre teremos novos seres humanos sendo gerados, pois pessoas também pensarão diferente de nós.

E respeito não pode ter pré-requisito. Não deve estar ligado ao fato de você concordar ou não com a pessoa. Respeite pessoas que preferem ficar sozinhos, com parceiros, com vários parceiros, com parceiros de outros sexos. Não importa e provavelmente não afetará sua vida em nada, então aproveite e respeite todos mesmo. Sempre temos algo diferente em nós. Gostaria de ser desrespeitado por ter aquela manchinha que só você tem debaixo do seu queixo?

Podem compartilhar. De repente mais pessoas com decisões parecidas serão respeitadas. Conhecemos pelo menos três casais que decidiram o mesmo e também escutam demais. — com Gi Lacerda.



sábado, 13 de julho de 2013

Alerta de golpe por celular


Hoje recebi CINCO torpedos informando que eu havia ganhado em uma tal de 'Mega Bolada', na qual nunca me inscrevi. O SMS diz:

” Inf Vivo: Parabens!Voce ganhou R$ 100.mil reais na promocao MEGA BOLADA! Envie.gratis p/6060 ou ligue ja e garanta seu premio p/ 0158581391454 senha:99982″

O número de onde veio o SMS é +5511973924095, parece ser de São Paulo.

Encaminhei para 133028 como recomendado aqui: 
http://www.vivoblog.com.br/alerta-saiba-como-se-proteger-de-sms-falso-enviado-em-nome-da-vivo.html 

Vale o alerta: sempre que algo para 'bom demais para ser verdade', provavelmente é mesmo.

***************************************