terça-feira, 10 de setembro de 2013

Afinal, qual o problema com a cantada-de-rua?

  ******************************

Venho acompanhando essas discussões faz tempo, e uma das coisas que sempre surge é que há uma diferença entre um galanteio e uma cantada inofensiva para as cantadas grosseiras e o assédio. 

É verdade, tem mesmo. 

E por causa disso muitos homens não conseguem entender quando dizemos que é preferível não dizer nada a menos que a mulher tenha dado sinais muito claros que está receptiva. Abordar uma mulher desconhecida na rua, sem nenhum sobreaviso, para dizer algo como 'linda' ou 'gostosa' hoje é uma experiência assustadora para muitas. E há um bom motivo para isso.

Há uns 30 ou 40 anos, uma menina que ignorasse e não respondesse a um 'psiu' ou qualquer outra tentativa de chamar a atenção dela na rua ganhava 'pontos' com isso; ela era vista com admiração e considerada uma 'moça direita'. As regras eram claras, era só ignorar que ficava tudo certo. Eu imagino que seja por isso que até hoje muitas mães dão esse conselho às filhas, "ignore, faz de conta que não ouviu."

Só que isso não funciona mais.

Atualmente o que se vê é que as regras mudaram, e de forma bem arbitrária. Já são vários relatos de mulheres que contam que ignoraram uma cantada e foram xingadas e até agredidas por isso. O mesmo pode acontecer se ela deixa claro que não gostou. 

Ou seja, não há mais nenhuma garantia que um certo tipo de reação vai ter o resultado desejável.

Aquilo que começou como um 'galanteio' pode acabar em agressão em alguns casos, e o problema é que não há como saber quando e como isso vai acontecer. Por isso qualquer cantada, por mais inofensiva, se torna assustadora. 

Se você é o tipo de homem que não tem intenção de ofender ou agredir, ainda assim você precisa entender que muitas mulheres hoje sofrem de algo muito parecido com Síndrome de Stress Pós-Traumático. De tanto serem agredidas de forma arbitrária e inesperada, se sentem mal com qualquer tipo de abordagem. 

Vale a pena insistir nisso, com a desculpa de que 'algumas gostam', agora que sabem que estão causando grande sofrimento a uma significativa parcela de mulheres?

Vale a pena ignorar todos os relatos das mulheres que insistem em dizer que não gostam?

Recomendo a leitura:
Chega de Fiu Fiu: resultado da pesquisa

 De acordo com ela, 83% das mulheres não gosta.


*************************

Um comentário: