sábado, 15 de setembro de 2012

A 'santa' e a 'puta' - a origem das cantadas de rua

Eu vim ao Brasil em 1970, e uma das coisas que eu tive que aprender foi que quando alguém fazia 'psst' na rua não era um conhecido tentando chamar a minha atenção, era alguém testando se eu era uma moça 'direita'. Lembro bem quando um rapaz me explicou que eles faziam isso exatamente com esse objetivo.

Eu suponho que em tempos de virgindade obrigatória até casar isso fazia algum sentido, ainda mais em cidades pequenas onde todos se conheciam. O fato é que servia para diferenciar as 'fáceis' das 'casáveis'. Uma amiga me contou que o namorado dela instruiu os amigos a 'testá-la' dessa forma; como resultado ela se obrigava a andar sempre olhando bem pra a frente e ligeiramente para baixo, para não correr o perigo de olhar nos olhos de alguém.

Hoje em dia, ainda mais em cidades grandes, qual o sentido da cantada de rua? Qual a chance de ter algum efeito real? Qual a chance de ver a mulher de novo e quem sabe surgir um relacionamento disso? Praticamente nulas, não é verdade?

Então rapazes, saibam que estão perpetuando um costume arcaico e invasivo. 

Mesmo que seja uma cantada 'elegante', ainda assim estão invadindo a privacidade de uma mulher estranha. Mesmo que seja um elogio sincero, quem diz que ela o apreciará naquela hora e vindo de um estranho? 

Sei que alguns vão dizer que tem mulheres que gostam. Sim, claro que tem, mas na dúvida seria melhor não fazer isso mesmo assim, porque vocês não leem pensamentos nem tem bola de cristal para saber quem gosta e quem não gosta.  

Sei também que muitos homens não conseguem entender porque deveriam parar. Isso acontece porque é algo culturalmente aceito, assim como um dia foi culturalmente aceito que uma mulher que não fosse virgem ao casar podia ser repudiada pelo marido.

Peço encarecidamente que repensem.

****************************************************

9 comentários:

  1. Caramba! Eu sei que essas "cantadas" ainda acontecem aos montes, mas eu não tinha idéia desse "teste". Não sei se isso é coisa do passado ou se eu que sou muito inocente mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um daqueles costumes que permaneceu depois que o motivo que o originou se perdeu no passado. Isso que eu descrevi faz uns 40 anos.

      Excluir
    2. pois é, mas será mesmo que o motivo ficou no passado? Afinal, até hoje ainda se fala em "mulher pra casar" x "mulher pra pegar", ou "essa eu andava de mão dada" x "essa eu só levava pra cama".

      Triste realidade...

      Excluir
    3. É, pode ser que você tenha razão e tudo isso não esteja tão no passado assim, pelo menos para alguns.

      Excluir
  2. Repensando. Quantos relacionamentos não nasceram de cantadas singelas na rua e com certeza em locais apropriados? Quantas pessoas não nasceram decorrentes de situações como essas? E foram contentes! Qual a diferença da cultura de não mexer com sexo oposto na rua caso ela fosse aceita? Penso também naquelas meninas que mexem com homens na rua. Como pode o sexismo esconder-se em atos tão inocentes? E que mundo mal-humorado seria esse com esse comportamento moral de não "bulinar" com as pessoas? As vezes parece cada vez mais, cada um no seu mundinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você acha mesmo que uma longínqua possiblidade vale todo o sofrimento que esse tipo de assédio causa á vasta maioria das mulheres? Estou reunindo relatos aqui:
      https://www.facebook.com/CantadaDeRua

      Excluir
  3. É complicado mesmo as cantadas para mulheres. Lembro duma namorada minha q ficava reclamando duns panacas na parada de ônibus. Repensando o lado ameaçador q elas tem. Eu comprei um soco inglês com uma descarga de 30000 volts pra ela. Ensinei como ela deveria dar um soco caso precise. Quando o cara vei com essa falta de gentileza, cantando e tentando sei-lá o quê, ela avisou q tinha um soco inglês e sabia usar. Os rapazes passaram a pegar onibus na proxima parada. Nos nos separamos mas ela tem o soco até hj, nunca usou. Tomare q continue assim.

    ResponderExcluir
  4. ja percebi que na maioria das vezes quando um homem vai cruzar o caminho com uma mulher, ela passa c/ a cabeça inclinada p/ baixo mesmo, mas se ela estiver de oculos escuro ela anda com a cabeça reta e alta...se tiver um grupo de homens cruzando no caminho de 1 só mulher, é aí que ela não vai olhar de jeito nenhum, mas se tiver um grupo de mulheres cruzando o caminho de 1 só homem ( logico, dependendo se for boa aparencia) todas olharão...não sei se tem algo de normal ou cultural, mas que é curioso é. rsrs

    ResponderExcluir