quarta-feira, 18 de abril de 2012

A vida sem vida - por Patricia Pranke*

 "No mundo ocidental aceitamos que uma pessoa está morta, mesmo com o coração batendo, frente ao diagnóstico de morte encefálica. Podemos manter o coração da pessoa funcionando por alguns dias graças aos equipamentos a ela ligados. Da mesma forma, um feto anencéfalo pode manter os batimentos cardíacos enquanto estiver ligado ao “aparelho materno”, e até mesmo por algumas horas após o nascimento."
 ************************************************************************
Na sexta feira dia 13 de abril fui convidada pelo Jean Paulo a participar de um programa da RadioVlogs para debater sobre a recente decisão da STF quanto à interrupção da gravidez em casos de anencefalia. Houve também opiniões contrárias, mas me pareceu que a argumentação se resumia a repetir, como se fosse um mantra: "é uma vida, é uma vida". Perguntei, "mas porque a mulher tem que sofrer?" e não consegui uma resposta clara. A impressão que dá é que um feto, mesmo sem cérebro, é mais importante que a mulher. Isso reflete uma mentalidade geral da sociedade, infelizmente. As pessoas nem se dão conta de que a sua compaixão e empatia estão extremamente mal direcionadas; em vez de se dirigir à mulher, um ser que de fato sofre e tem consciência de tudo, se direciona a um ser sem consciência e que não sofre. Parece reinar um tipo de "misoginia cultural", a mulher é sistematicamente desprezada em favor de uma abstração.

Hoje encontrei um artigo no jornal Zero Hora que expressa com bastante exatidão o que eu penso.

A vida sem vida, por Patricia Pranke*

A decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a interrupção da gestação de anencéfalos envolveu também uma questão científica que está sendo pouco mencionada nos debates sobre o assunto.

A parte legal e de preservação do equilíbrio emocional da mãe parece-nos óbvia. Colocando-me na pele de uma mãe, vejo uma situação dramática: em vez de se preparar para receber uma nova vida, ela se prepara para o velório do filho. Além de já ser uma tortura psicológica cruel para a mulher, que está gestando um feto sem vida, o momento do parto e o enterro do filho são a consumação de uma dor alimentada durante os meses de gestação. Esse período, que deveria ser um momento feliz, significará um funeral prolongado.

Quando se avalia esse fato sob o ponto de vista legal ou filosófico, até podemos entender que seja uma questão de opinião ou ponto de vista. Porém, olhando do ponto de visto científico, não há o que questionar. Quem questionaria se 20 especialistas diagnosticassem que um determinado paciente tem um tumor em um órgão, uma vez que os mesmos estão enxergando o tumor? É pouco provável que algum paciente diria que isso é apenas uma questão de ponto de vista.

A analogia é a mesma em relação ao feto anencéfalo. Posicionar-se contrário à interrupção da gestação de um feto anencéfalo é o mesmo que ser contra a doação de órgãos. Claro que as pessoas têm o direito de se opor à doação de órgãos. Mas apoiar a doação de órgãos e ser contra a interrupção da gestação em caso de anencefalia é uma enorme contradição.

No mundo ocidental aceitamos que uma pessoa está morta, mesmo com o coração batendo, frente ao diagnóstico de morte encefálica. Podemos manter o coração da pessoa funcionando por alguns dias graças aos equipamentos a ela ligados. Da mesma forma, um feto anencéfalo pode manter os batimentos cardíacos enquanto estiver ligado ao “aparelho materno”, e até mesmo por algumas horas após o nascimento.

Mas não pode haver questionamentos. Sem o funcionamento cerebral, a pessoa está morta e a doação de órgãos pode ser procedida. No caso dos anencéfalos, ocorre uma peculiaridade desconcertante: durante a gestação, o corpo permanece vivo, mas a morte encefálica já se consumou.

*Professora da UFRGS e pesquisadora do Instituto de Pesquisa com Células-Tronco

Um comentário:

  1. Essa comparaçao entre morte cerebral e anencefalia realmente está pegando muita gente por aí. Primeiro nos debates sobre aborto nos meios ateistas. Mas agora a comparaçao encaixou bem melhor no tema da anencefalia porque se voce for pensar até pode fazer algum sentido.

    ResponderExcluir