sábado, 7 de janeiro de 2012

O "duplipensar" orwelliano de certo blogueiro

 *********************************************

É engraçado observar como certas expressões podem ser distorcidas até que se possa torná-las em seu oposto, como descrito na obra de George Orwell, "1984".

O que é Duplipensar? O que é Duplopensar? Guerra é Paz; Liberdade é Escravidão; Ignorância é Força.
Para quem não leu, recomendo.

Usando esse conceito do "duplipensar", temos a seguinte aberração:

Acreditar na inocência = Apoiar um ato criminoso

 É isso.

*********************************************

4 comentários:

  1. Esse esforço para defender uma pessoa que a senhora alega não ter laços além do virtual é realmente patético.
    Já começa mal por que a senhora não é democratica o sufucinete para publicar os post que lhe são enviados.Eu já havia lhe escrito que seria muito mais digno,muito menos ridiculo se a senhora falesse de uma vez por todos que não lhe importa o que o tal Haroldo fez ou deixou de fazer, que a senhora o apoia incondicionalmente e pronto.é muito menos estupido do que ficar disperdiçando energia tentando achar explicações,teorias para justificar tua defesa.Tenha coragem!Se vai fazer algo, faça direito,se a senhora tem coragem de defender uma pessoa que doente que tem como lazer assisitir crianças transando ternha dignidade para aguentar as criticas sem parecer tão ridicula!
    Tu não esta apenas acreditando na inocencia dele, tu esta sim, defendendo uma pessoa que além de acusado, também foi condenado.
    Engraçado que por causas bem mais justas as senhora nunca teve a mesma boa vontade e empenho,quando lhe foi conviniente usou do "coitadismo" tecnica essa que a senhora sempre disse desprezar.
    Quando chegar a hora, vamos ver quem vai te estender a mão para te salvar do abismo que tu mesma cavou.

    ResponderExcluir
  2. Se for olhar, vai ver que o seu comentário anterior foi publicado ontem, não publiquei antes porque estava na caixa de spam. Respondi lá, mas vou responder aqui também:
    Não defendo ninguém "incondicionalmente". Como eu já disse, não acredito na versão dos "65 mil" arquivos, e acredito nele quando diz que baixou arquivos compactados (cujo conteúdo não conseguiu ver imediatamente) para tentar descobrir um verdadeiro abusador. É pura distorção dizer que eu apoio um ato criminoso, quando o que estou dizendo é exatamente o contrário. SE eu tivesse certeza de que a pessoa em questão cometeu um crime, não estaria manifestando apoio, ao contrário de um certo blogueiro que manifestou apoio a um sujeito considerado assassino pela Justiça, e chegou a dizer que "mesmo que o sujeito fosse culpado, esperava que escapasse". Engraçado que neste caso esse certo blogueiro acha que a Justiça errou. Interessante.
    Portanto, D. (sim, eu sei quem tu é), as tuas acusações não tem fundamento. O que eu estou fazendo ao postar essas coisas é expor um certo blogueio pelo que ele é: um hípócrita, ridículo e sem moral.

    ResponderExcluir
  3. Essa que comentou como "anônimo" se vive num país onde teclados não têm acentuação então é burra mesmo. E além do mais, teclado não pode ter culpa por erros de concordância e uma péssima gramática de mau aluno de 3º ano primário.

    Se acreditar na inocência é = apoiar um criminoso ou um crime, então o infame blogueiro ao defender a inocência do goleiro Bruno do Flamengo pela morte trágica e cruel de Eliza Samúdio está defendendo a tortura, mutilação e homicídio e ao defender Mariza Petruzi por ofensas raciais contra nordestinos afligidos por uma desgraça que deveria inspirar simpatia e piedade, está defendendo o RACISMO.

    Ainda bem que o tal "anônimo" não é parente meu. Parente desse a gente só visita no enterro e leva champanhe pra comemorar.

    p.s. espero que o anônimo não se importe já que não o estou ofendendo uma vez que anônimo não é pessoa legalmente, além de ser covarde.

    ResponderExcluir
  4. Se condenação for atestado de perversidade e de que o sentenciado com uma condenação é uma pessoa má e está errada, então todo homofóbico que já foi ou os milhares que serão condenados por atacarem com palavras, homossexuais oralmente ou no orkut, em sites e em blogs, depois de amargarem uma derrota judicial e alguns deles forem para a cadeia, terão que vestir uma camisa dizendo "Eu sou um criminoso. Atirem pedras em mim." Gostaria de ver isso, mas depois de estupidez, a segunda coisa infinita que o ser humano tem é a hipocrisia e incapacidade de ver os próprios erros e as próprias perversões como perversões.

    No Irã e alguns países africanos neste momento, homossexuais estão sendo condenados à morte e mulheres estão sendo apedrejadas até a morte por adultério. Não são sentenças e mortes arbitrárias pelas leis internacionais e do ponto de vista da jurisprudência internacional, afinal, cada país tem as leis que decide ter. A Alemanha nazista confiscou LEGALMENTE, pois foi pelas leis, os bens dos judeus e proibiu PELA LEI o casamento entre alemães gentios e judeus. Até 1974 no moderno Reino Unido, Inglaterra, Gales, Escócia e Irlanda do Norte, atos homossexuais eram crime. A pouco mais de 100 anos no Brasil, manter, espancar, torturar e matar escravos, era lei, NÃO ERA CRIME A ESCRAVIDÃO. Não estou falando de tempos "bíblicos", estou falando de uma época que algumas poucas pessoas ainda vivas conheceram. Algumas como escravas. Já foi lei e era aprovada por quase 100% da população, o marido matar a esposa que traiu, por "honra". Foi a muito pouco tempo. As leis mudaram. Hoje, o homem que mata a mulher que o traiu é um homicida, um patife. Será que quando mudam as leis mudam o que as pessoas são? Quando homossexualidade era crime e o homossexual ia para a cadeia, homossexuais eram criminosos e pervertidos, monstros? Eram criminosos porque HAVIAM COMETIDO UM CRIME, o que não quer dizer que a lei que os incriminara fosse certa, era um reflexo da mentalidade atrasada da época. Mas eram pervertidos e monstros? Certamente que não. Ou então ainda seriam. A lei não define os que as violam como "monstros", "pervertidos", "safados", etc. Essas são palavras do vocabulário popular e um reflexo da visão por baixo do mundo, de um ponto de vista muito rasteiro, o ponto de vista do "povão". Se homossexuais não eram monstros e pervertidos antes de 1974, então continuam sendo. Mas que pessoa inteligente, moderna, humana e com senso de justiça vai crer que um homossexual é um monstro ou que deixou de ser quando as leis mudaram?
    Por falar nisso, já que foi comentado, o anônimo emcima seria capaz de responder? A gente poderia passar longas horas agradáveis conversando e discutindo assuntos filosóficos e científicos, sociologia, psicologia, literatura...mas só depois de a diretor da clínica de estudos de doenças contagiosas em que o anônimo trabalha como cobaia com seus lindos pelinhos brancos, aprovar sua saída.

    ResponderExcluir