quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A História de Haroldo Galves - O lado DELE [2]


[A partir de agora será publicada a história de Haroldo Galves, contada por ele mesmo, em várias partes.]

*****************************************************************

HAROLDO GALVES, MINHA HISTÓRIA.  A ÚNICA E DEFINITIVA  VERDADE 

CONSIDERAÇÕES INICIAIS 

“Polícia procura vítimas do Maníaco da Internet” (legendas colocadas sobre minha imagem e durante reportagem feita sobre um fato originado por um crime que tem penas menores do que estelionato e furto qualificado, um crime sem vítimas e um texto difamatório, sensacionalista, irresponsável, covarde e mentiroso).

“São imagens que Haroldo deve ter baixado da Internet. Mas a polícia suspeita também que algumas dessas imagens podem ter sido registradas por ele mesmo. São 65 mil arquivos que mostram crianças de 4 a 8 anos fazendo sexo com adultos[...]A polícia espera que a partir da divulgação dessas fotos*1 [que a partir da divulgação (!)] dessas fotos[DAS FOTOS DAS CRIANÇAS! O REPÓRTER NÃO TEM NOÇÃO DE QUE ISSO É PROIBIDO POR LEI E SERIA INACEITÁVEL? OU REALMENTE É APENAS UM RECURSO DE SENSACIONALISMO PARA SEGURAR A AUDIÊNCIA? JULGUE VOCÊ MESMO], haja denúncias que levem a possíveis vítimas e outros envolvidos. A cada informação que chega, os investigadores vão montando o quebra-cabeças*2. Eles podem estar  diante de uma Rede Internacional de Pedofilia[!]” (repórter do programa do datena)
“Ninguém, absolutamente ninguém da família desse cara foi procurado.”(J.L.Datena)*3
“60 mil fotos no computador. Isso é um absurdo, isso é uma canalhice.*4

 “Once we decide that something is true (for whatever reason), we often make up new reasons for believing it.”
[Uma vez que nós decidimos que algo é verdadeiro (por quaisquer razões), nós freqüentemente inventamos novas razões para acreditar nesse algo.] (Gary F. Marcus, professor de psicologia na Universidade de Nova York e diretor do NYU Infant Language Learning Center).

“This difference in order (between hearing, accepting, and evaluating versus hearing, evaluating, and then accepting) might initially seem trivial, but it has serious consequences. Take, for example, a case that was recently described on Ira Glass's weekly radio show This American Life. A lifelong political activist who was the leading candidate for chair of New Hampshire's Democratic Party was accused of possessing substantial amounts of child pornography.Even though his accuser, a Republican state representative, offered no proof, the accused was forced to step down, his political career essentially ruined. A two-month investigation ultimately found no evidence, but the damage was done — our legal system may be designed around the principle of "innocent until proven guilty," but our mind is not.”(Gary Marcus, psicólogo)


“Esta diferença de ordem (entre ouvir, aceitar e avaliar versus ouvir, avaliar e ENTÃO, aceitar) pode parecer inicialmente trivial, mas pode ter sérias conseqüências. Veja, por exemplo, um caso que foi descrito recentemente no show semanal de Ira Glass ‘This American Life’. Um ativista veterano que era o candidato líder para uma cadeira de deputado pelo Partido Democrata de New Hampshire foi acusado de possuir substancial quantidade de pornografia infantil. Embora seu acusador, um deputado do Partido Republicano não tenha apresentado provas, o acusado foi forçado a desistir da campanha, sua carreira política essencialmente arruinada. Uma investigação de dois meses, no final, não encontrou nenhuma prova, mas o dano já estava feito – nosso sistema legal pode ser projetado em torno do princípio de “inocente até prova em contrário”, mas nossa mente não é. (Gary F. Marcus, professor de psicologia na Universidade de Nova York e diretor do NYU Infant Language Learning Center).


*1 Fotos de crianças quanto mais em situações como essa NUNCA seriam divulgadas pela polícia. O pouco caso com a presumível baixa inteligência do público alvo do programa ou a estupidez do repórter são de estarrecer, quase tanto quanto a montagem feita com uma foto minha, uma FOTO, um still, tirada por mim mesmo 4 ANOS ANTES, olhando e sorrindo para a tela enquanto conversava com uma amiga de uns 35 anos, Tânia, residente em Santana, Zona Norte de São Paulo.


********************************************************************************************************
Aqui está um video da notícia como saiu na época:
http://www.youtube.com/watch?v=Xnaqt_uVuRw

Se observarem bem vão ver uma foto, bem no início, rapidamente seguida de um sequência em video, que faz parecer que estou olhando e sorrindo para as imagens que aparecem logo a seguir.

Observem novamente a foto do início da reportagem:


E agora observem bem a imagem do momento em que cheguei à delgacia:


Se alguém ainda não entendeu, observem o comprimento do cabelo! As fotos são de épocas completamente diferentes!

*****************************************************************************************************

*2 O único quebra-cabeças de que me recordo se relacionam a murros que levei na nuca enquanto estava algemado e o pior: mal haviam se passado duas horas desde os fatos e o delegado já havia notado que se tratavam apenas de fotos baixadas do computador, os policiais foram designados para uma outra ocorrência sem relação e não havia nenhuma especulação desse tipo por parte da polícia. Apenas por parte do datena e seu programa , inclusive mostrando minha casa e expondo minha mãe e meus bens a uma onda de fúria irracional provocada pela insinuação irresponsável e covarde de que eu poderia ter tido contato físico com crianças. Minha mãe e meus animais domésticos e meus bens correram sim risco de serem atacados e destruídos numa onda de indignação provocada por insinuações feitas tanto pelo repórter quanto pelo apresentador. Ainda bem que os vizinhos que me conheciam e à minha mãe já a 3 anos e nunca me viram em nenhuma atitude suspeita ou de me aproximar de crianças ou de crianças entrando em minha casa, não deixariam isso acontecer e menos ainda seriam eles a iniciar tal ato de barbarismo provocado pela ganância. Na verdade os vizinhos ajudaram e consolaram minha mãe que, ao contrário do que um certo covarde homofóbico ainda não cansou de mencionar, FOI SIM À DELEGACIA NO DIA SEGUINTE junto com uma prima e uma amiga, para me ver, mas não deixaram que ela me visitasse e eu nem fui informado da ida dela lá pelos policiais. Minha angústia com medo de ela ter sofrido algum ataque cardíaco ou ter morrido durou 15 dias, quando já no centro de detenção provisória de Pinheiros, recebi a visita dela. O momento mais doloroso de toda a minha vida. E creio, dela também.


*3 Exceto que todos os vizinhos e parentes com quem conversei me disseram que não só puseram o repórter para fora quando ele bateu palmas na porta de minha casa, como disseram que ele andou pelo bairro procurando por minha mãe, chegando a perguntar por ela até mesmo num açougue local. Minha mãeconfirmou isso na primeira visita que ela me fez e depois que saí de lá e a questionei sobre isso novamente.


*4 Sem dúvida que “60 mil fotos no MEU computador que tinha 74GB de HD e menos de 5GB de espaço livre quando levado por uma denúncia eu baixei arquivos em lotes, a maioria compactados e fechados para encontrar o arquivo não-nomeado entre eles, É um absurdo. É um absurdo mesmo. Depus que deveria haver não muito mais do que 200 fotos E vídeos (que ocupam um espaço muito maior exigindo mais espaço livre... que eu NÃO TINHA). Tanto absurdo que anexo coloco printscreens de meu computador atual com mais de 463GB de HD ao todo contendo, incluindo TODOS OS TIPOS DE ARQUIVO, incluindo FOTOS, VÍDEOS, MÚSICAS E MISCELÂNIA, apenas ... 46 mil arquivos. Ou seja, eu, um consumidor voraz de informações, dados, filmes, livros e programas, desde mesmo antes daquele tempo, hoje, com um computador com 6,25 VEZES MAIS espaço ocupado tem MENOS ARQUIVOS do que os alegados 65 mil arquivos APENAS de pornografia. E isso porque eu dividi 463 por 74, mas como eu não dispunha dos 74GB de espaço do meu HD e algo próximo a 5GB, provavelmente menos e mesmo numa hipótese mais liberal, 10GB, ainda assim caberiam 92,6 VEZES MAIS MATERIAL DO QUE CABE AGORA NO MEU COMPUTADOR ATUAL!!!!! O ex-comentarista de campo de futebol José Luiz Datena deveria ter sublinhado a palavra “absurdo”, a repetido umas 463 vezes e a gritado a todos pulmões.











Minha certeza é de que o técnico (que nunca é demais mencionar, NÃO ERA DA TÉCNICA EM QUE O COMPUTADOR FOI APREENDIDO) deve ter contado o número TOTAL DE TODOS OS ARQUIVOS DE TODOS OS TIPOS EM MEU COMPUTADOR NA ÉPOCA e de alguma maneira – eu fiquei isolado e sem advogado por 90% do tempo em que corria o inquérito e o processo, não pude fazer uma perícia em nome da defesa com minha presença para apresentar provas de que eu identificava e anotava nome, telefone (quando possível), e-mails e outros dados de possíveis ou potenciais abusadores de crianças entre outros tipos de criminosos, como homofóbicos e racistas e, 65 mil arquivos de TODOS OS TIPOS, se tornaram para o público que “acompanhou” o processo pela TV e pela Internet – de alguma maneira se tornaram 65 mil arquivos APENAS de pornografia. Como imagens falam melhor, examinem os prints de meu computador atual e verifiquem seus próprios computadores clicando no nome do disco rígido e em ‘propriedades’ para ver quantos arquivos vocês têm.





Palavras do advogado de Haroldo Galves: "A sua condenação não foi por pedofilia, logo não pode ser assim taxado A imputação de algum crime a outra pessoa caracteriza calúnia. Quem o chamar ou divulgar para terceiros que você é pedófilo está sujeito a um processo por calúnia."

Acima: print de um e-mail de meu advogado me esclarecendo sobre meu processo e no segundo, uma advertência que deve ser levada a sério e que demonstra que Dona Åsa Heuser, pessoa culta, ciente e bem informada, sabia perfeitamente que não estava lidando com um ‘pedófilo’ ou ‘maníaco’.




Acima o trecho do artigo pelo qual eu fui processado. Ele é do E.C.A.

Notem porque o assunto “60 mil ou 65 mil fotos”, às vezes “65 mil arquivos” é tão importante tanto para a acusação quanto para os meus detratores que são os mesmos detratores de Dona Åsa. Em destaque no parágrafo 1º lê-se: A pena é diminuída de 1 (um) a 2/3 (dois terços) se de pequena quantidade o material a que se refere o caput deste artigo.


Meu advogado que, como um ato humanitário em solidariedade à minha mãe e por menções favoráveis a mim feitas por uma funcionária de minha empresa e que também conhece esse advogado,  pegou o caso faltando poucos dias para a audiência, não pode fazer a perícia e muito menos acompanhado de mim, que sou a pessoa mais indicada para apontar em que lugares encontrar o que eu queria mostrar e para verificar o número real de arquivos de pornografia e arquivos em geral. Antes mesmo da perícia oficial, já havia sido divulgado irresponsavelmente, acredito que, de boa fé ou de outro modo, esse número absurdo de arquivos no meu computador com menos de 80GB de espaço total e menos de 5GB de espaço livre. 


Foi muito conveniente para o programa do datena divulgar um número tão grande para aumentar sua audiência. Foi muito conveniente para inimigos de Dona Åsa, confirmar tal número e repeti-lo à exaustão e foi muito conveniente à promotoria para que eu não me beneficiasse da redução de pena prevista no artigo em caso de ser pequena a quantidade.  

Contudo, mesmo que tenha prevalecido a tese da grande quantidade, feita a ressalva de que o juiz não atribuiu importância á alegação feita pela acusação conforme está firmado em sua sentença das quais uma cópia se encontra em minha posse e de que a testemunha que alegou ter feito a verificação se contradisse, ainda assim o juiz estabeleceu a pena mínima como base tendo sido aumentada de alguns meses por um procurador que recebeu o recurso da promotoria. 

Em todo o caso, diferente do que afirma um certo ‘blogueiro’, o processo ainda está em fase de recurso e a pena que recebi, embora tenha pleiteado a completa absolvição em virtude de minhas ações terem sido motivadas por altruísmo e por ter agido de boa-fé (e continuo em busca de uma futura absolvição ou cancelamento do processo), recebi uma pena equivalente a de alguém que furta um Danone num supermercado e anos luz atrás da de um ‘molestador de crianças’, de um ‘predador sexual’ para não dizer de um estuprador, um assaltante, um traficante de drogas e muito menos desonrosa da dada a um racista ou homofóbico, dois crimes inafiançáveis e com penas bem mais duras e longas.

************************************************************************************************


A história não acabou, tem mais. Isso é só o começo.

************************************************************************************************


3 comentários:

  1. Que bom que o caso esta sendo esclarecido, lamento muito por essa família.

    É mesmo um caso complexo, o indivíduo em questão e sua família correram sérios riscos de morte.

    É de suma importância que essa mídia sensacionalista seja denunciada e pague caro por seus danos causados a sociedade.

    Que a justiça seja feita.

    ResponderExcluir
  2. A justiça será feita. E os abutres que tentam se aproveitar de acusacionismo para tentar manchar a imagem dos ateus que tanto odeiam, verão.

    ResponderExcluir
  3. Lamento que isso tenha acontecido. Um caso semelhante ao dele foi o do Juiz Carreira Alvin.

    O problema é o poder executivo, que está a serviço da rede globo, datena e outros carcarás da mídia. A PF quando faz uma operação secreta, solta fogos e chama a rede globo. Veja no livro de Carreira Alvin.

    Faço votos que ele receba uma boa indenização do estado, apesar do que aconteceu ser irreparável.

    abs

    ResponderExcluir