quarta-feira, 13 de julho de 2011

Sacrifício?! Que sacrifício?

Por acaso enfiaram um Jornal da Universal na minha caixa de correspondência, e eu que leio até bula de remédio, dei uma olhada.  
Achei dois conteúdos separados que combinados dão uma boa idéia do que é a essência desta empresa igreja. 

Scaneei e coloquei todas as cinco imagens em um site do Multiply, para que possam conferir os textos na íntegra. Abaixo reproduzo duas, para que possam ter uma idéia:
 




****************************************************

Do jeito que eu vejo a coisa, não há sacrifício nenhum! É o mesmo que apostar em um cavalo que alguém já garantiu com toda segurança que será o ganhador; você na verdade tem certeza do retorno do seu "investimento".

Se o Bispo mesmo diz "não precisamos do seu dinheiro", porque o pedem, e o que fazem com ele? Porque não incentivam as pessoas a usar o dinheiro de outra forma?

Sacrifício de verdade não é você "apostar em cavalo ganhador". 

Sacrifício é o que o meu marido fazia quando saía da cama às 7 horas da manhã em um domingo gelado para aliviar o sofrimento de uma vaca em trabalho de parto a 20 quilômetros da nossa casa, muitas vezes sem garantia de receber o dinheiro da consulta, simplesmente porque não suportava a idéia de deixar um animal sofrendo.

Sacrifício de verdade fazem todas aquelas pessoas, homens e mulheres, que saem para trabalhar todos os dias para garantir o sustento das suas famílias e um estudo melhor para os seus filhos, entre outras coisas.

Aliás, é interessante analisar a origem da palavra "sacrifício"; quando a dividimos temos sacro + ofício = sagrado + trabalho. Visto dessa forma, percebemos que na sua origem o sacrifício era um trabalho feito com a consciência de que aquela função era sagrada, uma vocação.

Voltando ao assunto do jornal, quero dizer que sempre que alguém propõe alguma coisa, a primeira coisa que deveríamos perguntar é, "quem ganha?"

Se a resposta for duvidosa, repense.

****************************************************

6 comentários:

  1. Essas empresas (igrejas) são o negócio mais lucrativo do mundo, os idiotas dão o dinheiro, não paga impostos e não presta contas.
    Quer ficar rico, abra uma igreja, o pior é que é lícito mesmo sendo imoral.

    ResponderExcluir
  2. Já até estou pensando em abrir uma igreja, só não sei se chamo de igreja multinacional da máfia de deus ou igreja multinacional da corporação de deus.....

    ResponderExcluir
  3. Na cidade onde moro, Congonhas-MG, tem um pastor que tem tudo pago pela igreja.
    O apartamento no valor de R$1300, escola dos filhos...
    É um absurdo ! Fico indignado e de mãos atadas sem saber o que fazer.
    Os crentes seguidores dele nem imaginam isto.

    ResponderExcluir
  4. Muito boa sua exegese de "sacrifício", Åsa.
    É muito mais um ofício sagrado se mover para evitar o sofrimento de um animal ou de uma pessoa, com certeza.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. E o pior, é que eles estão monopolizando os acessos à cultura da população. Moro em Vitória (ES), e pra ter uma ideia, três teatros municipais, parte de uma reserva ecológica, e vários terrenos enormes, que poderiam estar sendo usados em prol da população, na criação de casas, escolas, ou postos de saúde, viraram Igrejas ¬¬

    só no quarteirão aonde eu moro, tem 6 Igrejas, mas nenhum posto de saúde e apenas 1 escola. Isso pode?

    ResponderExcluir
  6. A fé realmente exige o sacrifício, mas o da razão - no caso de um simples seguidor, claro. Pq aos líderes não faltam inteligência para armar o show gospel e limpar os bolsos dos mais necessitados.

    ResponderExcluir