domingo, 29 de maio de 2011

Artigo na Zero Hora de hoje

29 de maio de 2011 | N° 16714

TEMA PARA DEBATE

Liberdade de crença: um passo atrás?, por Claudio Moreira*

 [...]Hoje, em pleno século 21, um novo perigo ronda a liberdade de crença num país que ama ostentar ao mundo sua tolerância religiosa. Na busca legítima por punições contra atos de violência de que são vítimas, grupos de homossexuais erram o alvo, e ao invés de propor uma legislação mais dura contra a ação de bandos que os agridem nas ruas de São Paulo e Rio – como skinheads e outras facções de corte ideológico fascista – voltam suas baterias contra as igrejas cristãs em geral, e as evangélicas em particular. Sob o cândido apelido de “Lei da Homofobia”, o projeto de lei 122/2006 propõe, entre outras coisas, punir com x anos de cadeia quem praticar “violência filosófica” contra um homossexual. Na prática, a simples citação do trecho bíblico de Romanos que define a prática homossexual como pecado deixaria de poder ser mencionada, transformando parte da Bíblia Sagrada, que para os cristãos é a Palavra Viva, em “letra morta”.[...]


Transcrevi apenas a parte que realmente importa. A minha resposta:

"Não, não interfere na liberdade de crença, mas interfere e deve interferir no direito das pessoas incitarem o preconceito e o ódio contra certos grupos. As igrejas querem ter o direito de continuar falando que "homossexualidade é uma abominação", "coisa do demônio", esse tipo de coisa, o que configura calúnia e difamação contra homossexuais. O preconceito religioso contra homossexuais é causa de graves conflitos familiares e grande infelicidade no momento em que colocam os pais na situação em que, ou tentam "curar" o filho ou filha homossexual, ou então a repudiá-lo/la, quando sabemos muito bem que a homossexualidade não é reversível nem curável.
O fato de "estar na Bíblia" não pode servir de desculpa, porque se assim fosse, ainda hoje as mulheres seriam proibidas de ser professoras ("às mulheres não é permitido ensinar e devem ficar caladas nas igrejas" segundo o apóstolo Paulo). Alguma igreja hoje tem a prerrogativa de incitar os seus membros a rejeitar as mulheres que são professoras? "


**************************************************

Não escrevi mais porque o número de caracteres é limitado. Eu acho mesmo que certas passagens bíblicas deviam deixar de ser mencionadas. Além do exemplo que dei acima, temos muitos outros que já não são levados em consideração porque a sociedade civil avançou e os direitos humanos estão abrangendo cada vez mais pessoas.

E o que dizer da questão da "tolerância religosa"? Em nome da tolerância querem poder continuar sendo intolerantes, numa flagrante contradição!

***************************************************

Um adendo: Isso me lembra de quando um sobrinho meu com três anos reclamou "O fulano (meu filho de cinco anos) disse que não vai mais deixar eu bater nele!"


***************************************************

10 comentários:

  1. Ótima resposta, já o artigo me deu nojo.

    ResponderExcluir
  2. A igreja quer liberdade para difundir seus preconceitos na sociedade.

    ResponderExcluir
  3. É isso, menina!

    Os fundamentalistas temem a liberdade e a felicidade humanas. Precisam da dor para pregar o alívio pela fé e das restrições impostas para controlar o rebanho.

    Os homossexuais estão exigindo o direito de ser felizes e livres! Isso sempre vai incomodar a igreja. Sigamos em frente!!!

    Abração,
    Sergio Viula
    www.foradoarmario.net

    ResponderExcluir
  4. Asa, excelente colocação. Não sei como pessoas insistem em bater nessa tecla de "liberdade religiosa". Só resumindo quase tudo que acho sobre esse assunto:
    http://ddimensoes.wordpress.com/2011/05/25/direitos-homossexuais-porque-devemos-apoiar/

    ResponderExcluir
  5. Um adendo: Isso me lembra de quando um sobrinho meu com três anos reclamou "O fulano (meu filho de cinco anos) disse que não vai mais deixar eu bater nele!"

    ResponderExcluir
  6. É incrível como é difícil para os cristãos entenderem algo tão simples quanto: uma tolerância não anula a outra.

    Quando eles vão tomar vergonha na cara e parar de usar a liberdade religiosa como muleta? Que defendam a liberdade religiosa para fazer algo bom, agir em defesa das pessoas para uma sociedade melhor, e não contra elas.

    Mas incrível ainda é que quem mais briga pela sua liberdade de expressão é justamente quem não tem nada de bom pra fazer com ela.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Que pena que você não postou o artigo todo. Estava muito bom até onde li. Depois veio um monte de porcarias que estragou a postagem inteira.

    ResponderExcluir
  9. a igreja, nem Deus é preconceituoso. O que relata na bíblia é que Deus condena esse tipo de comportamento hossexual, porque Ele é Deus e sabe o que é melhor para nós, foi Ele quem nos criou não é mesmo? Ele é nosso pai, e um pai sempre quer o melhor para seus filhos. E essa de mulher não ser professora nada a ver, porque ele referia que as mulheres não podem cumprir o papel de 'instrutoras na congregação' pois este cargo foi dado por Deus aos homens.

    ResponderExcluir
  10. Natália, porque voce não analisa melhor porque o comportamento homossexual é supostamente "condenável"? Eles prejudicam alguém na prática?
    E quanto às mulheres, porque elas não podem cumprir o papel de "instrutoras na congregação"? Já refletiu sériamente sobre isso?
    A mulher sempre foi tratada como sendo "menos" pelas religiões cristãs.

    ResponderExcluir