quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Cristãos nos EUA contra a reforma na Saúde

*********************************
Interessante essa análise do historiador Voltaire Schilling, que saiu hoje na Zero Hora. Prestem atenção ao negrito no final do artigo (o negrito é meu, mas as palavras são dele).

*********************************

11 de novembro de 2010

ARTIGOS

As metamorfoses dos cruéis, por Voltaire Schilling*

“Lembre-se, a discórdia é patriótica.”
Slogan do Tea Party – Nashville, 2009

As fotos do Museu Getty não deixam dúvida, o linchamento de negros era um acontecimento festivo nos Estados Unidos dos anos 20 e 30. Uma delas, tirada em Indiana em agosto de 1930, mostra uns 50 caipiras brancos, inclusive com algumas mulheres e crianças, admirando os corpos queimados e estirados de dois pobres homens vestidos miseravelmente.

Faziam até cartões-postais disso para remeter aos parentes distantes. Em outras localidades, anunciavam o enforcamento pelo jornal para atrair curiosos da vizinhança que vinham de trem para, irmanados, participar do horror.

Naquela mesma década, essa mesma gente fez de tudo para impedir a política de Franklin D. Roosevelt para tirar o país da Depressão, denunciando as ações redentoras do Novo Trato como “intervencionistas” e “comunistas”.

Entre os anos 40 e 50 do século passado, empenharam-se em insuflar a Guerra Fria, para que o Estado gastasse bilhões em armas nucleares dando especial apoio ao Dr. Edward Teller na construção da bomba final que pulverizaria parte da humanidade. Ao mesmo tempo, covardes, alinhados ao senador Joseph McCarthy na caça às feiticeiras, perseguiram funcionários públicos e artistas de Hollywood colocando-os em “listas negras” para que não pudessem mais atuar. Praticamente empurraram o grande Charles Chaplin para o exílio.

Nesse tempo todo, apoiaram o que havia de pior na América Latina. Fossem tiranos como Trujillo, Somoza ou Batista, nunca lhes regatearam dólares, quando não lhes treinavam as polícias. Foram os maiores entusiastas da longa intervenção armada no Vietnã (1965-1975), mesmo que custasse a vida de mais de 1 milhão de paupérrimos camponeses e que arrasassem as florestas deles com terríveis herbicidas como o “agente laranja”. Lamentaram foi a derrota e não o estrago que causaram, e não sossegaram enquanto um deles não atirou no atrevido Dr. Martin Luther King.

E, passados uns tantos anos, voltaram à cena apoiando em massa o presidente George Bush na sua “guerra ao terror”, invadindo dois países miseráveis do Oriente e matando a população a granel na maior operação colonialista dos tempos recentes.

O negro supliciado dos anos 20 passou a ser substituído pelo árabe-iraquiano encapuzado, pendurado por cordas e torturado em Abu Ghraib, ou pelo desgraçado afegão ou paquistanês fronteiriço dilacerado por bombas jogadas regularmente lá do alto pelos drones, os aviões teleguiados.

Essa gente cruel não suportou nem o pouco refresco que o presidente Barack Obama trouxe à nação. Logo tratou de se reorganizar em torno do movimento Tea Party (uma ofensa aos revolucionários de Boston da época da Independência) para que o jovem líder suspenda ou mutile as reformas que objetivam dar melhor assistência aos pobres.

Ainda que conscientes de viverem no país mais rico e poderoso da terra, egoístas mórbidos querem fazer reverter o programa que proporciona aos 30 ou 40 milhões de carentes o acesso à mais eficaz medicina do mundo. Não conseguiram suportar sequer dois anos de convívio com políticas públicas de bondade e generosidade.
E ainda assim todos se confessam cristãos!

*Historiador

********************************

3 comentários:

  1. Quem dera que Jesus Cristo realmente voltasse e levasse esses esquizofrênicos para o céu, seria muito bom. Ai, nóis ia fica bem tranqüilos aqui no nosso inferninho azul...Mas infelizmente JC é qui nem chifre, é uma coisa qui botaram na sua(deles) cabeça

    ResponderExcluir
  2. Voltaire juntou num mesmo saco o que os EUA tem de pior na sua história e carimbou "Tea Party" nele. Esta simplificação marota, distorce um movimento que defende o que há de mais nobre no ser humano, a defesa da liberdade, da propriedade e da busca da felicidade. Para melhor entendimento sugiro: http://www.youtube.com/watch?v=OLD6VChcWCE&feature=share e os outros vídeos que o sucedem.

    ResponderExcluir
  3. Estados Unidos: o país mais rico, poderoso e bem-sucedido do mundo. Mas tamanho poder e riqueza subiu a cabeça de boa parte do seu povo, ainda muito racista e xenófobo que não suportam um negro filho de ateu ex-muçulmano também negro na presidência.

    Grande texto.

    ResponderExcluir