sábado, 2 de outubro de 2010

Enfrentando a morte com realismo e dignidade

**************************************
Hoje eu chorei. Fiquei tão comovida com essa notícia que não consegui me segurar. 
Essa mulher é um exemplo de como enfrentar a morte, com realismo e dignidade, pensando em como ajudar as pessoas que ama a enfrentar melhor a vida na ausência dela. 

Lembra um filme que eu vi, e que está na barra lateral entre os filmes que recomendo, "Minha Vida Sem Mim" -  http://zerohora.clicrbs.com.br/pdf/9429780.pdf
Abaixo reproduzo a notícia na íntegra, porque agora o conteúdo da Zero Hora só é acessível aos assinantes.
**************************************
Zero Hora, 02 de outubro de 2010

AMOR ALÉM DA VIDA

Antes de morrer, mãe deixa manual para cuidar dos filhos

Lista a ser seguida pelo marido inclui lugares a visitar e valores a respeitar

A britânica Kate Greene morreu em janeiro passado, aos 37 anos, depois de perder uma batalha de dois anos contra o câncer de mama. Kate, porém, não quis que a morte a impedisse de participar do crescimento dos filhos Reef, seis anos, e Finn, quatro. Ela deixou uma lista com cerca de cem coisas para o marido, St. Johns Greene, fazer com os dois, para garantir que eles tenham a experiência que ela sempre sonhou para a família e que serão criados como ela planejava.

Não foi a primeira vez a um drama desse tipo afetar a vida dos Greene. O filho mais velho do casal, Reef, já havia sobrevivido a um tumor maligno em 2005. O casal descobriu a doença de Kate em 2008. Após 18 meses de quimioterapia, ficou claro que o câncer havia se espalhado, e o tratamento foi interrompido. Pouco tempo depois, Kate passou a precisar de tanques de oxigênio em casa.

– Uma noite ela ficou muito assustada, achando que não sobreviveria até o dia seguinte. Ficamos acordados, conversando até as 4h sobre o que gostaríamos que os meninos fizessem. Kate passou a carregar papel e caneta para anotar novas ideias. Quando vi, havia três folhas A4 cheias – conta St. Johns.

Entre as recomendações para Finn e Reef, estavam coisas específicas, como visitar a praia onde ela passava férias quando criança, no País de Gales, ou assistir a um jogo internacional de rúgbi. Kate ainda pediu ao marido que levasse os filhos à Suíça, para mostrar o local onde ele a pediu em casamento.

Kate quer que marido encontre outra mulher

A mãe ainda decretou que a família deveria ter uma mesa de jantar, para que todos estejam juntos durante as refeições em sua casa em Sommerset, sudoeste da Inglaterra, e que o marido deveria ajudar as crianças a plantar um girassol, encontrar um trevo de quatro folhas e aprender a tocar um instrumento musical. Ela ainda descreveu os valores que ela queria ensinar aos meninos, como ser pontuais, fazer as pazes logo quando brigassem com alguém e tratar as namoradas com respeito.

A lista também inclui coisas que a mãe não queria que os filhos fizessem, como andar de motocicleta, fumar ou integrar as forças armadas. O pai conta que planeja realizar todos os desejos da lista, já que, de alguma forma, as orientações significam ainda uma ligação emocional com Kate:

– Já fiz algumas, e cada vez que fazemos alguma coisa, pensamos nela.

O desejo mais difícil de ser cumprido no entanto, diz ele, será encontrar uma outra companheira, para que os filhos cresçam com uma influência feminina – outro pedido de Kate:

– Já encontrei minha alma gêmea, e voltar ao mercado é uma coisa muito difícil. 

Londres

 **********************************************
O link para a notícia aqui.

**********************************************

Agora, alguém reparou em um detalhe? Um detalhe que na verdade é uma ausência?

Não há nenhuma referência a religião, em nenhum momento. 


**********************************************

5 comentários:

  1. Comovente mesmo. Assisti "Minha vida sem mim", excelente filme, mas pensei ser muito dificil que na realidade tal coisa acontecesse...
    Quero experimentar tal sobriedade quando chegar minha hora...

    ResponderExcluir
  2. Belo gesto. Eu tenho pra mim que todos nós céticos fazemos listas como esta, implicitamente, nas metas que traçamos e atividades a que nos dedicamos.

    Beijos e muito lindo você ter chorado.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Åsa! Esse é um texto comovente, mas mais do que isso é uma lição de vida: Faz nós aprendermos que nem após a morte podemos parar! E também que com todos nossos problemas, não podemos perder a esperanças de que há outras soluções. Essa moça só teve um coração de ouro como toda mãe que é mãe tem! Pensou nos filhos mesmo sabendo que ia faltar um dia... Só uma mãe mesmo pensaria assim! Íncrivel!

    bjs

    ResponderExcluir