domingo, 22 de novembro de 2009

Zeitgeist: A Verdade sobre o "Espirito dos Tempos" [ou "Não basta ser ateu, tem que ser cético"]

Na minha postagem anterior eu prometi retornar ao assunto, mas em um contexto mais específico.
Eu disse que não é preciso ser ateu para ser cético e mostrei situações corriqueiras que demonstram isso. O comentário do Érick complementou bem a questão, falando em como a maioria dos católicos questiona as regras impostas pela ICAR.
Por outro lado, nem sempre um ateu é automaticamente cético. A popularidade do Zeitgeist é um ótimo exemplo. Não vou me estender na explicação ou crítica aqui, porque José Geraldo já fez isso com muita maestria em uma comunidade no Orkut. Vou colocar o link aqui , [OBS: a postagem sumiu desde então, porque o autor deletou o seu perfil] e vou tirar do texto dele algumas citações.
"Os primeiros $45$ minutos de Zeitgeist tentam explicar de forma detalhada que Jesus é um mito e o Cristianismo é uma farsa. Esta tese não é difícil de argumentar, havendo uma volumosa e inquestionável biblioteca de escritos e pesquisas das mais diversas disciplinas humanas que pode ser usada para sustentá-la. Causa-me profunda estranheza, então, que o filme pretenda defendê-la com base justamente em informações falsas, comparações anacrônicas, associações forçadas, explicações que não fazem sentido algum ou que, quando fazem, estão contaminadas na fonte pelo vício dos dados incorretos."

"Em seguida o filme se dedica a "desconstruir" as explicações oficiais sobre os atentados de 11 de setembro, recorrendo a teorias conspiratórias. De que maneira este assunto está interligado ao primeiro é algo que, inicialmente, o público de Zeitgeist demora a digerir. Mas, de alguma forma, apesar da estranheza das teorias de conspiração nesse ponto, os neo-ateus engolem esta parte, mesmo meio a contragosto, porque de bom grado consumiram a primeira. O fato de que algumas pessoas que se identificam como "engenheiros" darem depoimentos sobre como o WTC deveria ter caído é suficiente para emprestar credibilidade à tese de que os aviões foram apenas uma desculpa, de que o acontecido foi uma demolição controlada, que tudo foi um ``trabalho interno'' em nome de algum interesse escuso."

"Quando chegamos à terceira parte o filme já se tornou cansativo e os argumentos estão cada vez mais confusos e menos afirmativos. Fica-se com a impressão de que ``tudo'' faz parte de um Grande Plano executado por Certas Pessoas que têm o poder dos Estados em suas mãos e que trabalham para construir uma Nova Ordem Mundial, sabe-se lá com que interesses."


"Só porque Zeitgeist parte de uma idéia que agrada ao grosso dos ateus/agnósticos/céticos/libertários (negação da divindade de Jesus), ele atrai simpatizantes para outras idéias, estranhas à proposta inicial, mas que, estranhamente, parecem as idéias dos que mais ferrenhamente defendem a divindade de Jesus: A serpente morde o próprio rabo."

"Zeitgeist reaparece a cada semana na internet, há quase três anos. Nenhum filme realmente bom sobre a História jamais teve esta atenção. Para mim está muito claro o que ele é. Mas não é fácil convencer disso facilmente o público cativo que ele angariou porque quem é submetido pela lavagem cerebral se torna um fanático por ela. É por isso que não adianta ser ateu se você não é cético de verdade e se não tem bons conhecimentos para defendê-lo de manipulações como essa."


Recomendo que leiam todo o texto para entender melhor todo o contexto. Pessoalmente tenho a comentar que todos nós, ateus ou não, temos que tomar muito cuidado com o que aceitamos como verdade, principalmente se o desejo de acreditar é muito forte.
Só porque alguém diz o que queremos ouvir, não é garantia nenhuma de que tudo que a pessoa diz seja verdade. Temos que verificar as informações, os fatos, as fontes e a intenção da pessoa. Se não fizermos isso corremos o risco de ser enganados.

Tem um outro tópico no Orkut, mais extenso, que traz alguns argumentos mais detalhados. Está na comunidade da STR. [OBS: essa postagem também está truncada pelo fato do autor original ter deletado o seu perfil]
Vou reproduzir aqui apenas a parte que se refere às incorreções com relação a Horus:

"Em relação à parte sobre Jesus, vou citar apenas doze boçalidades retiradas de meros dois minutos do filme:

1. Hórus era o deus egípcio do Sol (16:00) ― na verdade Hórus é o deus celestial, filho de Osíris e Ísis (deuses relacionados a cultos de fertilidade). Os egípcios acreditavam que o Sol era UM DE SEUS OLHOS e a Lua o outro.
2. Seth personificava a escuridão e a noite (16:20) ― na verdade Seth representava a ausência de vida, o deserto; mas também das tempestades, das desgraças e do caos. A luta de Set contra Hórus representa a luta da humanidade e suas forças criadoras contra a hostilidade e a esterilidade de uma natureza cruel.
3. Hórus nasceu em 25 de dezembro (17:00) ― não existem referências sobre a data de nascimento de Hórus.
4. Hórus nasceu de uma virgem (17:00) ― embora haja uma versão de sua lenda que mencione ter sido concebido quando seus pais ainda estavam no útero materno, a versão mais comum é a de que Ísis o concebeu ao praticar necrofilia com o cadáver de Osíris, por ela restaurado através de artes mágicas. Na época da concepção Osíris e Ísia haviam sido marido e mulher por muito tempo.
5. O nascimento de Hórus foi acompanhado pelo aparecimento de uma estrela no leste (17:00) ― o nascimento de Hórus foi anterior à criação do mundo. Portanto, não havia “leste” onde pudesse aparecer uma estrela.
6. Hórus foi adorado por três reis (17:10) ― tendo nascido antes da criação do mundo, não havia reis para adorá-lo. De qualquer forma, teria sido muito difíceis reis irem ao mundo celestial adorá-lo, visto que Hórus é um ser espiritual ― e não material.
7. Hórus ensinou os mestres aos 12 anos (17:10) ― Hórus permaneceu escondido durante toda sua infância, somente quando se tornou adulto ele se revelou e lutou contra Seth para vingar seu pai, Osíris.
8. Batismo de Hórus aos 30 anos (17:10) ― não há nenhuma referência disso e Hórus não teve um “ministério”, ele se tornou rei após a Assembléia dos Deuses decidir apoiá-lo contra Seth.
9. Hórus tinha 12 discípulos, em cuja companhia perambulava fazendo milagres (17:10) ― Horus não era um curandeiro, mas um deus-rei do mundo celestial.
10. Títulos atribuídos a Hórus (17:25) ― apenas “Luz Celestial” e “Divino Rei” são atestados.
11. Hórus traído por Tifão e crucificado (17:30) ― Tifão era um personagem da mitologia grega e, ainda que mais tarde tivesse sido incorporado ao panteão egípcio, na época mencionada por Zeitgeist (3.000 a.C.) ele era desconhecido no Egito, principalmente porque nessa época os gregos ainda nem haviam chegado à orla do Mediterrâneo. Hórus não foi traído por ninguém, e muito menos crucificado. Ele foi, isto sim, cegado por seu inimigo Seth, e sua derrota causaria o desaparecimento de toda a vida, razão pela qual os deuses o apoiaram contra Seth.
12. Hórus esteve morto por três dias e depois ressuscitou ― Foi Osíris ressuscitou por três dias e depois voltou a estar morto."


Só por aqui já dá para ver que o filme não merece credibilidade.
Como eu disso no começo: "Não basta ser ateu, tem que ser cético"

17 comentários:

  1. Se alguém tiver curiosidade de assistir o filme: http://video.google.com/videoplay?docid=-1437724226641382024&hl=en#

    ResponderExcluir
  2. Oi, Åsa, tudo bem? Estou escrevendo logo após aquele nosso breve encontro no MSN... hehehehe... Então, o problema é que eu não vi o filme e ficou meio difícil pra eu entender, então recorri à Wikipédia para complementar a fala do Orkut. A pior coisa é que menciona-se na "enciclopédia livre" (versão portuguesa) uma crítica cristã, e não cética ou ateia... A história seria outra se essa outra crítica existisse, não?

    Mas depois de ler o resto dos seus excertos, fiquei PASSADO ao ver como o filme manipulou, mentiu, deturpou etc.! E a maioria acredita, mesmo (eu, se visse, acreditaria), porque quem é que estudou mitos egípcios na escola (ou na Igreja...) com profundidade? As histórias cristãs estamos enjoados de ouvir, mas tão especificamente sobre Hórus? Fica complicado, né? É claro que alguns detalhes chamam a atenção, como a crucifixão do deus, mas realmente a maioria de nós passaria sem críticas... Pior é que o texto da Wikipédia não faz a menor crítica!

    Agora entendo a diferença entre o ateísmo e o ceticismo: este, mais do que a opção sobre divindades, é também uma postura diante do mundo. Na faculdade de História também aprendemos a ser céticos sobre muitas coisas, sobretudo as mais naturalizadas pela política e pelos poderes instituídos. (É claro que muitos aprendem a ser ateus, também, mas isso é outro assunto... heheheheheheheh) Datas comemorativas, histórias e lendas sobre nossos vultos, grandezas que são destruídas numa só frase... Isso é muito comum por aqui, também!

    Grande abraço, e espero que continue com a mesma qualidade e quantidade atuais de sua produção!

    ResponderExcluir
  3. É como foi colocado, principalmente os que se denominam ateus muito recentemente adotam o Zeitgeist como verdade absoluta. Não digo que outros ateus também não acreditam, na verdade ainda permanecem cultivando esse mito.

    O tópico é muito útil para desconstruirmos as falácias do vídeo e mostrar que o cetismo deve ser empregado a todo o momento, mesmo no momento em que a informação nos agrada.

    Parabéns minha amiga.

    ResponderExcluir
  4. Boa Tarde,

    vcs precisam avisar sobre essa crítica ao Alfredo Bernacchi...pois ele acredita piamente nessas informações veiculadas nesse filme.

    um abraço a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca vi nem desejo ver esse filme ou qualquer outro filme religioso. O que eu sei é fruto de intensas pesquisas, corroboradas por grande maioria de pessoas sérias, conhecidas e importantes da história, além da minha própria e inteligente análise de lógica e bom senso. Não escrevo merda.

      Excluir
  5. Nossa estou me sentindo uma idiota depois de ter lido isso... Realmente confiei nos dados do vídeo...
    É, vivendo e aprendendo...

    ResponderExcluir
  6. excelente texto!!! Agora falta um com argumentos verdadeiros sobre a origem do mito Gzuis. Parabéns Asa e ao carinha q escreveu no orkut

    ResponderExcluir
  7. "vasili tsaisev disse...
    Boa Tarde,
    vcs precisam avisar sobre essa crítica ao Alfredo Bernacchi...pois ele acredita piamente nessas informações veiculadas nesse filme.
    um abraço a todos."
    ....
    Acho que não é etico alguém dizer o que eu penso, acho ou acredito. Primeiro que eu nem vi o filme. Segundo, que: Quem pode garantir que o que está descrito no filme é a verdade?
    Pelo menos eu, quando repasso alguma informação é depois de alguma investigação, tratada com lógica e bom-senso. Mesmo quando nem tudo seja perfeito é o muito que me convenceu. Se eu acredito, passo adiante. Indubitavelmente, o cristianismo é uma mentira, e isso é o que importa.
    Alfredo Bernacchi

    ResponderExcluir
  8. Olá Alfredo,

    Quando escrevi sobre vc acima, não foi de forma aleatória. Lís seu livro "Jesus não existiu". Que na verdade não é bem um livro, mas uma colcha de retalhos copiada da internet. As informações do filme são defendidas no seu "livro" por vc. Agora, as informações do seu livro não foi resultado de uma pesquisa criteriosa, fruto de uma investigação rigorosa, com lógica e bom senso. Não! Por exemplo, na bibliografia de seu livro tem umas 15 fontes anonimas. Uns 20 livros apócrifos e a vasta maioria retiradas da net sem indicação direta da fonte. Então, o fato de vc acreditar em mentiras não signifique que seja mesmo verdade. Isso é o que importa.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Olá vasili tsaisev. Só para esclarecer. O livro sobre Jesus é uma obra investigativa. Não tem a pretenção de literatura, mas de informação. por isso utilizei muitos textos de terceiros. Eu solicitei ao leitor, buscar na Internet o assunto tal qual eu fiz. Se o leitor quiser saber, que vá procurar. Foi isso que eu propus. Somente para ajudar eu forneci alguns sites que li e tirei informações. Não se trata de Bibliografia. Pena que você não reparou isso. Você leu o livro todo? Acho que não...
    Sabe o que importa? É você saber a verdade. Abç.
    Alfredo Bernacchi.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia Alfredo,
    O problema Alfredo, não é simplesmente escrever, mas escrever bem e de forma sincera. O seu texto defende o que os ateus renegam "mitologia ateista". A net tem muitas informações tendenciosas, e que eu posso provar que o seu livro "Jesus não existiu" é uma dessas informações. Por exemplo, seu livro está completamente baseado em um artigo de um tal de Claudinei Pietro. E você diz no texto que ele é o presidente da ABRAWICCA - Associação Brasileira para a religião Wicca. Mas espera ai...Wicca é feitiçaria americana. Claudinei Pietro é um bruxo, ele mesmo se autodenomina assim. Então, você de forma irresponsável, apenas pelo Claudinei não aceitar o cristianismo, vc abraçou as afirmações mentirosas dele como verdade "da internet". Um ateu de mãos dadas com um bruxo contra o cristianismo.
    Agora, vc mesmo prova no seu livro e reafirma aqui a sua irresponsabilidade como um autor. Pois vc diz: O leitor que vá procurar. Mas no livro vc tenta provar e reafirma que Jesus não existiu. O problema é que até os próprios ateus rejeitariam o que vc escreveu em seu livro. Esse artigo neste blog é prova viva disso. Vc se mostrou em seu livro que é anticristão apenas, mas nunca se aproximou de provar que jesus não existiu. Isso é utópico a luz da história, mas da forma que vc escreveu descambou no abismo da impossibilidade.
    Li o livro todo, todinho mesmo...imprimi e li e não somente isso, pesquisei todas as suas informações e fiz algumas anotações importantes para um momento oportuno.

    Sabe o que importa Alfredo? Estar compromissado com a verdade e vc andou longe dela.

    Um grande abraço Alfredo.

    Jesus te ama...pena que vc só descobrirá quando for tarde demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Além do mais esse livro foi escrito em 2003, o primeiro que aborda essa matéria. Depois desses existem outros que vem ratificar com maior precisão, a mesma verdade, goste você ou não. O último: VERDADES & MENTIRAS CONTUNDENTES DO CRISTIANISMO, escrito em 2014, acaba com a raça dos contestadores fanáticos, que querem aparecer nas minhas costas. Mas esse, só pagando!... nadimacb@gmail.com

      Excluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pelo texto, ele mostra um ponto de vista muito inteligente sobre o Zeitgeist.

    Se você acredita em todas as afirmações contra a religião, apenas por serem convenientes, e por serem o que você quer que seja verdade, então você não é tão diferente dos religiosos.

    ResponderExcluir
  13. Que não usem desse filme para atacar o trabalho do Jacque Fresco exposto em Zeitgeist 2. Uma coisa não tem nada haver com a outra.

    ResponderExcluir