quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Mudança total


Quando eu tinha 13 anos, isso foi em 1970, minha família toda veio de mudança para o Brasil. Foi uma viagem no tempo também, porque a mentalidade aqui correspondia à mentalidade da Finlândia na década de 50. A virgindade até o casamento, por exemplo, era ainda um assunto tabu.
Talvez por ser estrangeira a questão do ateismo a princípio nunca me causou problemas, mas eu também não falava muito sobre isso. Para mim era muito natural ser atéia e eu não via motivo para levantar o assunto.

Conheci o meu futuro marido apenas dois anos depois. Fazia pouco tempo que estavamos namorando quando, por influência de uma amiga, fui a uma cartomante. Essa mulher me disse que o namoro do momento não daria em nada e que eu conheceria o homem com quem casaria aos 19 anos (eu estava com 15). Agora, imaginem se eu acreditasse nisso! Acabou que a gente se casou 3 anos depois, e estamos casados até hoje. Em dezembro completamos 35 anos de casados.

Para casar houve uma certa polêmica. Eu não era batizada, e deixei bem claro que se eu tivesse que fazer isso para casar na igreja, então o casamento seria só no civil.
Resultado, o meu sogro tinha um parente pastor que concordou em nos casar assim mesmo. A verdade é que a família do meu marido não era particularmente religiosa, como muitos outros eles pertenciam à igreja por formalidade.
E eu continuei atéia ainda por um bom tempo depois disso.

Um comentário:

  1. "E eu continuei atéia por um bom tempo...". Deixou de continuar? Não ne? Não se poderia perder uma atéia da tua categoria.
    Beijo
    Carlos Mello

    ResponderExcluir